04/01/2019

Tecnologia 3D é usada para imprimir casa de concreto na Itália

Mais rápidas e econômicas que técnicas tradicionais, impressoras com robôs irão mudar o futuro das construções

O mercado da construção civil não ficou alheio às inovações tecnológicas. Pelo contrário, o setor tem apostado nos avanços da robótica e suas edificações impressas em 3D para garantir projetos mais rápidos, precisos e econômicos. Depois da primeira ponte do mundo ter sido erguida com a moderna engenharia, em uma passagem para ciclistas na cidade de Gemert, na Holanda, agora chegou a vez das moradias.

Uma versão em concreto foi o grande destaque deste ano da Semana de Design de Milão, um dos principais eventos do setor, realizado na Itália. Projetada pela empresa de engenharia Arup, em parceria com o estúdio de arquitetura CLS Architetti, a casa de cem metros quadrados tem área de estar, quarto, cozinha e banheiro. Todos os 35 módulos de paredes usados na construção foram erguidos pela impressora 3D, um braço robótico equipado com um bocal de onde sai a pasta especialmente formulada de concreto. A etapa inicial, realizada em apenas 48 horas, foi seguida pela instalação de telhados, portas, janelas e encanamentos. 

Mas rapidez não é a única vantagem desta tecnologia. Impressos de acordo com o desenho planejado, os projetos feitos em 3D garantem uma flexibilidade muito maior que técnicas tradicionais. Não por acaso, a casa apresentada em Milão tem as paredes curvas. Feitos em camadas a partir do piso, os volumes criados sequer precisaram de moldes, reduzindo a quantidade de concreto utilizado. A ideia é que o material seja também mais sustentável, podendo ser reaproveitado em outra obra ao fim da vida do edifício. Isso não só reduziria a geração de resíduos como também seu impacto ambiental.

Ainda que ambicioso, o projeto ainda é um protótipo. Segundo seus criadores, são necessárias pesquisas focadas em fundações, melhoria nas junções e ergonomia para tornar a empreitada uma realidade replicável. O intuito é que, em breve, ela esteja pronta para ser comercializada. 

Em Eindhoven, na Holanda, uma parceria entre a universidade local e investidores da área civil lançou o primeiro empreendimento de casas em concreto feito a partir da tecnologia 3D.  As cinco residências disponíveis para aluguel serão produzidas uma de cada vez e com tipologias diferentes entre si, para que assim os especialistas aprendam com cada obra. A primeira delas está prevista para 2019 e já tem uma fila de espera para interessados. 

Economia de tempo e de dinheiro, a engenharia 3D representa um avanço na forma como a indústria civil vê seus custos, eficiência e impacto ambiental. A iniciativa pode, inclusive, se tornar uma solução para projetos habitacionais de baixo custo, levando moradia a quem mais precisa. Com tantas possibilidades a caminho, só o futuro dirá o que a tecnologia poderá imprimir a seguir.