26/12/2018

A evolução da Infra no Brasil

Após um longo período de estagnação, o setor de infraestrutura recebeu um novo impulso, começando a cobrir algumas das lacunas que têm emperrado o desenvolvimento econômico brasileiro.

As últimas duas décadas marcaram o início de uma transformação significativa no país. Se nos últimos vinte anos do século passado o país sofreu com uma redução no investimento público em infraestrutura (de 5,4% do PIB nos anos 1970 para 2,3% na década de 1990), o início do século XXI aponta uma tendência inversa. Não por coincidência, esse período coincide com a consolidação das concessões no país, abrindo as portas para novos projetos com investimento privado e para a modernização da infraestrutura nacional.

A lei que instituiu o regime geral das concessões e permissões de serviços públicos completou vinte anos, período suficiente para o Brasil começar a colher os frutos desta importante reforma. Os investimentos privados de longo prazo sempre foram apontados como a chave para um país continuar crescendo em meio a uma crise fiscal. Assim, coube às concessionárias assegurar a execução de novos projetos de infraestrutura com agilidade, eficiência e qualidade. E esse mecanismo ainda proporcionou outros avanços – com a quebra do monopólio estatal, abriu-se o caminho para o desenvolvimento técnico do setor e para a evolução de diversas áreas de especialização.

Com tantos sinais promissores, o caminho parece estar traçado para que o país continue pavimentando seu desenvolvimento.

“Mesmo com grandes dificuldades conjunturais no período, melhoramos em várias áreas desde a virada do século”, avalia Maurício de Mauro, professor de Gestão de Operações do Ibmec/SP.

De acordo com Mauro, trata-se de um processo irreversível: “É impossível que o Brasil fique estagnado, principalmente em infraestrutura. Com essa vocação para ser um gigante de commodities, o país precisa resolver esse gargalo da logística”.